mini-renatoAdministração Move o Mundo

Danilo Barreto

Cooperativa Arte Peixe: Desenvolvimento econômico e social lado a lado

O cooperativismo tem se mostrado muito mais que um modelo de negócio, mas uma filosofia que mostra que desenvolvimento econômico e social podem sim andar lado a lado. Ao contrário do que muitos pesquisadores, profissionais e estudiosos acreditavam, os empreendimentos coletivos baseados no cooperativismo emergiram como alternativas que deram certo, mostrando que é possível obter lucro de forma sustentável e coletiva.

Segundo o sistema da Organização de Cooperativas Brasileiras – OCB (2018), em 2018 existiam 2,6 bilhões de cooperativas no mundo, essas cooperativas geraram neste ano 250 milhões de empregos e estavam presentes em 100 países. As cooperativas congregavam em 2018 um bilhão de pessoas, o que, dado em proporções, representa que para cada sete pessoas uma estava associada a algum tipo de cooperativa no mundo.

Foto: Divulgação

A cooperativa é um meio para que indivíduos que antes trabalhavam sozinhos ou, em alguns casos, nem se imaginavam trabalhando com determinado ramo, se unam e se tornem mais competitivos e assim possam atingir objetivos de forma coletiva através de uma cooperação recíproca.

Em São João da Barra, um caso nos chama a atenção: A Cooperativa Arte Peixe. Criada em 2007 pela Senhora Jacira da Penha Pires após o oferecimento de diversos cursos do Governo Federal através do Projeto Produzir, a cooperativa segue atuando com responsabilidade ambiental, segurança alimentar e toques de inovação.

Inicialmente os cursos foram direcionados para o trabalho de homens com produtos derivados do caju, trabalho que não chegou a ser realizado devido à baixa adesão de cooperados. Sendo assim, logo a cooperativa foi direcionada para a pesca. O projeto foi reformulado para inserir mulheres, principalmente de pescadores, no mercado de trabalho.

Os produtos da Cooperativa Arte Peixe inicialmente eram produtos alimentícios preparados com pescados e camarão. A cooperativa já deu início aos trabalhos inovando ao produzir hambúrgueres e linguiças de camarão e de peixe, produtos ainda não produzidos na região. Dentre os produtos da cooperativa também estão salgadinhos em geral e nuggets, também preparados com pescados e camarão, inteiros e processados. A Presidente Fernanda Pires garante que todos os produtos são 100% naturais e no processo de fabricação não há adição de nenhum conservante.

No momento de fundação a cooperativa contava com cerca de 20 cooperadas, a maioria já trabalhava filetando peixe e descascando camarão de forma individual. Com a criação da cooperativa essas mulheres receberam a oportunidade de ampliar suas produções e diversificar suas atividades. A criação da cooperativa foi sinônimo de inclusão produtiva, bem como geração de trabalho e renda para diversas famílias de São João da Barra e já foi eleita uma das cinco melhores cooperativas do Brasil.

Atualmente a cooperativa conta com 40 cooperadas, porém com apenas 8 trabalhando ativamente. A quantidade de cooperadas trabalhando tem relação com uma das demandas apresentadas pela Presidente Fernanda Pires que declarou que boa parte dos clientes da Arte Peixe são turistas e para que a cooperativa mantenha um bom número de vendas, principalmente em baixa temporada, seriam necessários investimentos em maquinários para aumentar a produção e, sobretudo, em logística. “Temos clientes nos municípios vizinhos e até na capital, porém não temos um veículo adequado para realizar o transporte de nossos produtos para outras cidades”, declarou Fernanda.

Além da capacidade de produção e da questão logística, outro gargalo apresentado pela Presidente é o Selo de Inspeção Estadual (SIE), da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Aquicultura (Seagro), um selo de qualidade que garante a boa procedência do produto e permite que o mesmo seja comercializado em todo o Rio de Janeiro. A cooperativa já esta se preparando para conquistar o selo, porém ainda necessitada de algumas adequações e, para isso, investimento. Outra alternativa seria o Selo Municipal, porém este ainda não está em execução.

A produção da cooperativa gira em torno de 200 kg ao mês. Com o investimento em maquinário, logística e na adequação da cooperativa ao SIE, a produção poderia chegar até 3 toneladas por mês, o que demandaria mais cooperadas e geraria mais emprego e renda para a comunidade de Atafona.

Foto: Divulgação

As principais parcerias da cooperativa hoje são a Prefeitura de São João da Barra e a Chevron. A Prefeitura auxilia e sempre auxiliou cedendo um espaço bem amplo no Mercado Municipal, além do fornecimento de água e energia, e a Chevron tem auxiliado com serviços de consultoria na área de gestão e gestão ambiental, focando em preparar a Cooperativa para conquistar o selo de qualidade estadual. Segundo Fernanda, “Além da Prefeitura e da Chevron, outras empresas já foram parceiras e, eu diria, foram essenciais para o desenvolvimento da cooperativa em outros momentos”. A cooperativa já contou com o apoio do SENAR, Shell, SOF, SERE, Instituto Consulado da Mulher, ENACTUS- CEFET/RJ, FIPERJ, FAPERJ, Pescarte UENF – SJB, Instituto Aliança, UNACOP-RJ, Governo Federal, Ferroport e a Onda Empreendedora de São João da Barra.

A Cooperativa Arte Peixe atualmente coloca seus produtos a venda no quiosque da Praça da Igreja de Nossa Senhora da Penha em Atafona de segunda à sexta no período da manhã. A Cooperativa também aceita encomendas de seus produtos. Faça uma visita e ajude a fortalecer essa grande iniciativa.

Referências

OCB. Organização das Cooperativas Brasileiras. O que é Cooperativismo? Sistema OCP. 2018. Disponível em: https://www.ocb.org.br/o-que-e-cooperativismo. Acesso em 02 de Dezembro de 2018.

PIRES, Fernanda. Entrevista sobre a Cooperativa Arte Peixe aplicada por Danilo Barreto de Souza. São João da Barra. Rio de Janeiro, 25 de Novembro. 2018.

SEBRAE. CARDOSO, Univaldo Coelho. Cooperativa. Série Empreendimentos Coletivos. Univaldo Coelho Cardoso, Vânia Lúcia Nogueira Carneiro, Édna Rabêlo Quirino Rodrigues. Brasília: SEBRAE, 2014.

SOUZA FILHO, Jorge Renato de. Desenvolvimento Regional Endógeno, Capital Social e Cooperação. [S.l.: s.n.], n.d.

 

Comente